Imperium
Model: 2020
Product ID: 623
Product SKU: 623
New In stock />
Lgpd - Lei Geral De Proteção De Dados Pessoais - Comentada

Lgpd - Lei Geral De Proteção De Dados Pessoais - Comentada

Marca: Imperium
Modelo: 2020
Disponibilidade: Imediata
aguarde, carregando preço...
 
Simulador de Frete
- Calcular frete

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, Lei nº 13.709/2018, é a legislação brasileira que regula as atividades de tratamento de dados pessoais e que também altera os artigos 7º e 16 do Marco Civil da Internet.

A  Lei de proteção de Dados que boa parte dela só vai entrar em vigor em 2020 traz em seu bojo a responsabilidade dos agentes de tratamento de dados e do titular.

Ela exige que em determinados casos o titular de dados dê o seu consentimento para o tratamento de dados que deve ser processado em caráter sigiloso, sem ferir os direitos constitucionais do titular dos dados. Em particular a lei exige a autorização dos representantes legais, pais ou de curador ou procurador quando se tratar de tratamento de dados de criança, adolescente ou de deficiente mental.

Os dados, depois do tratamento poderão ser publicados, informados e transferidos desde que com o devido consentimento do titular. Em ocorrendo irregularidade durante o processo de tratamento de dados pessoais que venham em prejuízo do titular, como o caso de dano moral, ferindo sua dignidade humana e privacidade, ele poderá revogar o consentimento e for o caso ingressar em juízo com ação de indenização moral e tratando-se de crime, com ação penal contra os agentes de tratamento, controlador, operador e encarregado que responderão pelos prejuízos causados ao titular.

Os dados deverão ser transparentes e público quando interessarem à investigação criminal ou apuração de fatos relevantes e históricos. O tratamento de dados poderá ocorrer quando o titular procura uma empresa para trabalhar e o Departamento de recursos Humanos necessita saber as condições pessoais, profissionais, sociais e familiares do interessado, o que não será considerado invasão de privacidade.

A autoridade policial e a judiciária poderão se valer do tratamento dos dados pessoais para investigação de fatos criminosos e processos criminais. A Processual penal veda a divulgação da privacidade e intimidade do investigado, mas permite que ele seja fotografado para fins de informação ao Departamento de Estatística Criminais.

De acordo com o art. 5º da Constituição Federal “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação”. No âmbito do Processo Penal, identificação criminal é a coleta, guarda e recuperação de todos os dados e informações que determinem a identidade de uma pessoa indiciada ou acusada do cometimento de um ilícito criminal.

Dentre esses dados, incluem-se, principalmente, as impressões digitais, a tomada fotográfica e, recentemente criada pela Lei 12.654/12, a tipagem genética. Mas esses dados não se restringem a isso. Podem incluir outros métodos, tais como a arcada dentária, a íris, a voz, outros sinais identificadores (cicatrizes e tatuagens, por exemplo) e demais dados físicos, tais como a altura, a cor dos cabelos, dentre outros.   A Lei de proteção de dados pessoais responsabiliza criminalmente os agentes de tratamento de dados pessoais que durante tal processo pratiquem qualquer modalidade irregularidade, principalmente fato tido como crime, em prejuízo do titular dos dados. Trata-se de uma lei eficiente e de grande importância porque além da segurança que transmite á sociedade preserva a segurança jurídica, a intimidade, a privacidade e o bem-estar social da pessoa nos termos da Constituição Federal, dela não se divorciando. 

INTRODUÇÃO

LEI 13.709, DE 14 DE AGOSTO DE 2018

CAPÍTULO I – Disposições Preliminares

Art. 1º

Art. 2º

Art. 3º

Art. 4º

Art. 5º

Art. 6º

CAPÍTULO II – Do Tratamento de Dados Pessoais

SEÇÃO I – DOS REQUISTOS PARA O TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS

Art. 7º

Art. 8º

Art. 9º

Art. 10

SEÇÃO II – DO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS SENSÍVEIS

Art. 11

Art. 12

Art. 13

SEÇÃO III – DO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS DE CRIANÇAS E DE

ADOLESCENTES

Art. 14

SEÇÃO IV – DO TÉRMINO DO TRATAMENTO DE DADOS

Art. 15

Art. 16

CAPÍTULO III – Dos Direitos do Titular

Art. 17

Art. 18

Art. 19

Art. 20

Art. 21

Art. 22

CAPÍTULO IV – Do Tratamento de Dados Pessoais pelo

Poder Público

SEÇÃO I – DAS REGRAS

Art. 23

Art. 24

Art. 25

Art. 26

Art. 27

Art. 28

Art. 29

Art. 30

SEÇÃO II – DA RESPONSABILIDADE

Art. 31

Art. 32

CAPÍTULO V – Da Transferência Internacional de Dados

Art. 33

Art. 34

Art. 35

Art. 36

CAPÍTULO VI – Dos Agentes de Tratamento de

Dados Pessoais

SEÇÃO I – DO CONTROLADOR E DO OPERADOR

Art. 37

Art. 38

Art. 39

Art. 40

SEÇÃO II – DO ENCARREGADO PELO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS

Art. 41

SEÇÃO III – DA RESPONSABILIDADE E DO RESSARCIMENTO DE DANOS

Art. 42

Art. 43

Art. 44

Art. 45

CAPÍTULO VII – Da Segurança e das Boas Práticas

 

SEÇÃO I – DA SEGURANÇA E DO SIGILO DE DADOS

Art. 46

Art. 47

Art. 48

Art. 49

SEÇÃO II – DAS BOAS PRÁTICAS E DA GOVERNANÇA 

Art. 50

Art. 51

CAPÍTULO VIII – Da Fiscalização

SEÇÃO I – DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS

Art. 52

Art. 53

Art. 54

CAPÍTULO IX – Da Autoridade Nacional de Proteção de

Dados (ANPD) e do Conselho Nacional de Proteção de

Dados Pessoais e da Privacidade

SEÇÃO I – DA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO DE DADOS (ANPD) 

Art. 55

Art. 55-A

Art. 55-B

Art. 55-C

Art. 55-D

Art. 55-E

Art. 55-F

Art. 55-G

Art. 55-H

Art. 55-I

Art. 55-J

Art. 55-K

Art. 55-L

SEÇÃO II – DO CONSELHO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS

E DA PRIVACIDADE

Art. 58

Art. 58-A

Art. 58-B

Art. 59

CAPÍTULO X – Disposições Finais e Transitórias

Art. 60

Art. 61

Art. 62

Art. 63

Art. 64

Art. 65

Modelos

• Termo de privacidade e consentimento livre e esclarecido

• Política de privacidade

• Termos de uso

 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características